11 de dez de 2014

Notícias e fotos do lançamento do #livro do jornalista Mario Dias







Um dos momento mais emocionantes da noite de autógrafos foi protagonizado pelo jornalista Mario Dias editor do Jornal Casa da Gente e a sua filha Luana Dias, no lançamento do ‪#‎livro‬CTI - Antessala da Morte. Parabéns Mario Dias. 





O evento foi prestigiado por amigos do autor como, Paulinho Mocidade - o intérprete do mundo do samba marcou presença com uma bela canja do seu repertório; quem também compareceu foi Rodrigo Moreira - biógrafo do cantor Sergio Sampaio e autor do livro 'Eu quero é botar meu bloco na rua'; na foto, os dois ilustres convidados, com 'o autor da noite' Mario Dias e a editora Labouré Lima. 





Presença VIP do jornalismo brasileiro - o apresentador do telejornal das manhãs globais, Chico Pinheiro, também compareceu para abraçar o colega jornalista Mario Dias. Na foto, o autor e sua filha Luana Dias, com Chico Pinheiro (Bom Dia Brasil da TV Globo) e Alcides Freire (Presidente do SENALBA-RJ). 










A editora Labouré Lima com Rodrigo Moreira, autor do livro 'Eu Quero é Botar Meu Bloco na Rua', encontro produtivo na noite desse lançamento, ambos conversaram sobre a próxima edição da biografia do cantor 'Sergio Sampaio', que sairá em 2015, ampliada por novas revelações. Rodrigo Moreira é fã do primeiro livro de Mario Dias, 'Malditos Repórteres de Polícia' (edição esgotada), e fez questão de comparecer para abraçá-lo também. 

 
A editora Labouré Lima com o amigo Gentil da Costa Lima, 
ex-Presidente do Sindicato dos Jornalistas do Estado do Rio de Janeiro 

Labouré Lima ladeada pelas filhas, Ana Paula e Raquel, a nova geração da Editora Muiraquitã.

O próximo evento será em Niterói,
dia 16 de Dezembro, Terça-Feira,
no CLUBE CANTO DO RIO.

Clipping

 

Cliping do Jornal A TRIBUNA

Cliping do JORNAL EXTRA
Clipping do jornal O GLOBO
Clipping do jornal O DIA

Clipping redação SRZD



9 de dez de 2014

Matéria do Boletim Leitura sobre #livro CTI – Antessala da morte: um passeio pela vida.

Jornalista Mário Dias lança livro com lembranças de sua trajetória

CTI – Antessala da morte: um passeio pela vida (Editora Muiraquitã) é uma narrativa do jornalista Mário Dias, que faz uma retrospectiva – iniciada a partir de sua entrada na sala do CTI, há 30 anos – sobre a sua trajetória de mais de cinco décadas de jornalismo, a própria infância e relatos do convívio com personalidades políticas e da MPB. O livro será lançado na próxima quarta-feira, dia 10 de dezembro, às 19h30, no Salão de Eventos da Pizzaria Guanabara da Lapa (Av. Mem de Sá 17). Já no dia 16, o livro será lançado no Canto do Rio Futebol Clube, em Niterói, às 19h30.
Tenório Cavalcanti, o “Homem da Capa Preta”, Chagas Freitas, Leonel Brizola, Geremias Fontes, Luiz Inácio Lula da Silva, Jorge Roberto Silveira, Aécio Nenci e Alberto Torres estão entre os políticos citados. No meio artístico, Jorge Aragão, Zeca Pagodinho, Dudu Nobre, João Nogueira, entre outros, são lembrados pela passagem no “Botequim do Samba”, programa exibido pela Rede Manchete de Televisão e depois pela TV Globo e produzido por Mario Dias.
Esse é o quinto livro do autor, que já lançou Malditos Repórteres de Polícia (1992); Rio da Violência Armado com Humor (1995); Das Rosas para as Rosas (1994); e participou da premiada coletânea 50 anos de crimes(2007), editada pela Record, com organização de Fernando Molica.
Como profissional de imprensa, trabalho nos jornais Luta Democrática, O Dia, O Fluminense, O Jornal, A Tribuna e Diário Fluminense, entre outros. Na televisão, já passou pela TV Tupi, TV Continental, TV Rio, Rede Manchete, e TV Globo. Apresentou por mais de 10 anos o programa de entrevistas e variedades “Casa da Gente”, exibido em três emissoras.
Ficha Técnica: 
128 págs.
Ilustrado com fotos a cores e em PB
Formato: 14cm x 21cm
ISBN: 978-85-7543-148-1

Preço de capa: R$35,00 + frete postal
Entregamos via Correio em todo território Nacional

Informações para compras: editora.muiraquita@gmail.com

O repórter no centro da notícia...


CTI - A ANTESSALA DA MORTE  

é um passeio pela vida do jornalista.

Mario Dias retorna a cena literária e apresenta ao público leitor um excelente resgate da sua trajetória jornalística.

Dessa vez, o repórter é o alvo da matéria.
A proposta desse livro reportagem foi logo incorporada pela editora Muiraquitã.

CTI a antessala da morte é um livro que instiga o leitor a ler sem parar. São histórias de uma vida pulsante e cheia de enredo. É jornalismo, com muita verdade e emoção.









Ficha Técnica: 
128 págs.
Ilustrado com fotos a cores e em PB
Formato: 14cm x 21cm
ISBN: 978-85-7543-148-1

Preço de capa: R$35,00 + frete postal
Entregamos via Correio em todo território Nacional

Informações para compras: editora.muiraquita@gmail.com







4 de dez de 2014

Relançamento do #livro UM VÉU DE HISTÓRIAS / A VEIL OF STORIES




UM VÉU DE HISTÓRIAS / A VEIL OF STORIES
Autora: Neuza Faillace
144 páginas. Ilustrado. Desenhos em bico de pena. PB
Formato: 14cm x 21cm
Português / Inglês
ISBN: 978-85-7543-142-9
Preço de capa: R$30,00 + frete postal
Entregamos via Correio em todo território Nacional.
Informações para compras: editora.muiraquita@gmail.co




Neuza Faillace 
nasceu no Estado de Minas Gerais. E atualmente vive na cidade de Niterói, no Estado do Rio de Janeiro.  
Na sua infância, gostava de contar histórias, que ela criava e depois dramatizava, para as crianças da família, vizinhos, amigos da igreja e colegas da sua escola. 
As lindas histórias contadas por Neuza Faillace neste livro, floresceram na evolução da sua fase adulta.








HOJE, Quinta-feira, 04 de Dezembro, a partir das 16 horas, estaremos com a escritora Neuza M Faillace no relançamento do livro bilíngue, UM VÉU DE HISTÓRIAS / A VEIL OF STORIES na Gutenberg Livraria de Icaraí, em Niterói.

26 de nov de 2014

COM A PALAVRA O AUTOR : "UNIFICAÇÃO QUE NÃO UNIFICOU, CONFUNDIU." - Considerações de Celso Panza sobre o novo Acordo Ortográfico

Dados Técnicos:
ISBN: 978-85-75430-81-1
Gênero: Ensaio
Páginas: 160
Formato: 14cm x 21cm
Preço de Capa: R$30,00
Atendimento: editora.muiraquita@gmail.com

Resenha: A obra não tem cunho religioso nem tem pretensão de levantar nenhum tipo de bandeira religiosa. O autor foca nas obras de Jesus e seus ideais. O incrível pensamento e a incrível conduta do homem Jesus. Utilizando-se de documentos, Celso Panza explana sobre Cristo como ser histórico e sua jornada como homem, realçando ser os ensinamentos e princípios deixados por Ele, a única saída para a humanidade viver em harmonia.

Sobre o autor: Celso Felício Panza é natural de Niterói. Atualmente tem como atividade principal a consultoria jurídica, sendo magistrado aposentado do Estado do Rio de Janeiro. 

"Ensaios da Alma" é o título do novo livro de Celso Panza, que já se encontra no Prelo. Em breve estará nas livrarias.


Estamos abrindo um novo espaço para os nossos autores, a partir de hoje. Uma vez por semana, traremos um autor da nossa editora para comentar algum tema de interesse geral. 

Começamos pelo Desembargador e escritor Celso Felício Panza, autor do livro "A Inteligência de Cristo", que aceitou o convite da editora Muiraquitã, para apresentar aos leitores do blog, as suas considerações e críticas sobre o Novo Acordo Ortográfico.



 "Não unificou, confundiu."


Divergências aparecem nos dicionários "Houaiss"  e "Aurélio”, nas recém-lançadas versões de bolso, que já contemplam as mudanças ortográficas. O "pára-raios" de hoje, por exemplo, virou "para-raios" no primeiro e "pararraios" no segundo.

A lista de diferenças continua. A versão mini do "Houaiss" grafa "sub-reptício" e "para-lama". Em outra direção, o novo "Aurélio" traz "subreptício" e "paralama".

Prevendo o impasse, antes mesmo do lançamento dos dicionários, a ABL (Academia Brasileira de Letras) tomou para si a difícil missão de dirimir essas e outras dúvidas. A palavra final da entidade sairia apenas em fevereiro, quando as novas regras ortográficas já estariam valendo.


CONFUSÕES

O acordo internacional, assinado em 1990, foi concebido para unificar e simplificar a grafia da língua portuguesa. Certos acentos foram derrubados ("enjoo" e "epopeia"), e o trema, só permanecerá em palavras estrangeiras.

 O que tem sido motivo de apreensão é o hífen.

 O acordo está cheio de regras novas, certas palavras perderão o hífen (como "antissocial" e "contrarregra") e outras ganharão ("micro-ondas" e "anti-inflamatório"), mas existem muitas divergências.

 O texto diz que devem ser aglutinadas, sem hífen, as palavras compostas quando "se perdeu, em certa medida, a noção de composição". E lista meia dúzia de exemplos: "girassol, madressilva, mandachuva, pontapé, paraquedas, paraquedista, etc.
"O problema está justamente no "etc.". Como sabemos que as pessoas perderam a noção de composição de uma palavra? É algo subjetivo", afirmam os professores com acentuada razão, como o respeitável Marto de Moura,  um deles.

Na dúvida, os elaboradores dos dois dicionários consultaram especialistas e chegaram às suas próprias conclusões.

O "Houaiss", por exemplo, achou mais seguro ignorar o "etc." e decidiu que só seriam aglutinadas as seis palavras da lista de exemplos, o que sem pretensão acho deficitário, há maior amplitude no tema.

"Com essas mudanças, os dicionários precisam sair na frente, já que são as obras às quais todos vão recorrer. Precisam dar soluções. Diante das lacunas, tivemos de inferir", afirma Mauro Villar, coautor do "Houaiss".

 O acordo diz que perdem o acento os ditongos "ei" e "oi" de palavras paroxítonas, como "idéia" e "jibóia". No entanto, existe hoje uma regra que determina que paroxítonas terminadas com "r" tenham acento. O que fazer com "destróier", que se encaixa nas duas regras?

O texto tampouco faz referência ao uso ou à ausência do hífen em formações como "zunzunzum", "zás-trás" e "blablablá", só para citar desencontros e lacunas.

A Academia Brasileira de Letras se debruçou sobre pontos obscuros. Seis lexicógrafos e três acadêmicos ficaram com o encargo.

"Estamos tentando resolver os problemas de esquecimento e esclarecer os pontos obscuros. As interpretações serão feitas com o objetivo de facilitar a vida do homem comum", disse então Evanildo Bechara, gramático e ocupante da cadeira 33 da ABL.

 As decisões da comissão da ABL estarão no "Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa", a lista oficial da correta grafia das palavras.

O término da obra estava previsto para novembro. Por causa do excesso de dúvidas, o lançamento acabou sendo adiado para fevereiro.

Uma vez pronto o "Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa", os dicionários de bolso que já incorporaram o acordo ortográfico internacional precisarão ser mais uma vez reeditados, dessa vez com as mudanças definitivas.

As novas regras ortográficas começam a ser aplicadas em janeiro de 2009, mas as atuais continuarão sendo aceitas até dezembro de 2012.

A partir de janeiro de 2013, serão corretas apenas as novas grafias.

Não foi objetivo dos tratados, reforma da ortografia nem unificação da língua como um todo, mas unificação ortográfica de parte da língua, ainda não unificada. De ressaltar que podia ser mais concentrada a finalidade conforme abordaremos. Os professores eméritos de nossa língua consideram equívoco grosseiro nominar o acordo como reforma ortográfica ou unificação da língua. A mutação dinâmica da língua não se transforma por legislação. É indiscutível.

Por sua própria natureza está em permanente construção. Não se altera a língua por leis e decretos; os regionalismos e bairrismos assim demonstram. E acima de tudo a tradição da língua há de ser respeitada, conforme assente a unanimidade dos linguistas. Não abordaremos o que permanece, como por exemplo, as proparoxítonas, que são todas acentuadas, ficamos no que se alterou para unificar sem simplificar e nas dissenções ainda existentes, com observações.

Analisemos as alterações: A supressão do trema não fará ninguém mudar a fala de “linguiça” ou “frequência” sem pronunciar o “u”. O som não mudará a tonicidade. Se admite que o desconhecedor da língua assim se posicione e ache, os que a estudam não. O Acordo muda somente a forma de grafia de algumas palavras, jamais a vocalização, por exemplo, quanto ao trema suprimido. O destaque dessa parcial unificação cuja breve crítica faremos, tem sabor eminentemente de caráter político, avaliada a história, como bem acentua o intelectual Marcos Bagno, Professor da UNB, com reconhecimento internacional como linguista:  “papel político que o Brasil tem a desempenhar na comunidade lusófona. Portugal, infinitamente menos importante que o Brasil no cenário político e econômico mundial, se recusa a ver que quem lidera a lusofonia, hoje, somos nós. O PIB brasileiro é o 8º maior do mundo; o de Portugal é o 41º.Só na metrópole de São Paulo tem mais falantes de português do que em toda a Europa! Defender o acordo de uniformização ortográfica é defender essa liderança, é exigir que Portugal pare de se arvorar como fonte ‘original e pura’ de irradiação do português e de decisões internacionais acerca da língua”.


Essa vontade de unificar a grafia da “lusofonia” (países de língua portuguesa) tem sido de embates entre Brasil e Portugal desde 1911. Existiram rejeições pelo Brasil e indevidas por Portugal. Mas continuam conforme texto que incluímos ao final, e continuarão.  Até a assinatura do acordo, em 31 de dezembro do ano passado, a nossa ortografia foi (só em 2012, deixa de vigorar, até lá vigoram  as duas formas) a que  a Academia Brasileira de Letras, em de 12 de agosto de 1943 aprovou, alterada posteriormente  pela Lei  5.765/1971.


A pretensão de Portugal em ser “dominus” da uniformização, senhor da língua, como vem ocorrendo, implicaria dizer, mal comparando e guardadas as proporções, que seria como as línguas latinas derivadas unificarem-se ao latim, depois de superado o Império Romano em expressão de dominação e importância, política e econômica. Essa receita, de esse ou aquele ser palavra final, já gera confrontos na pretendida unificação, conforme edição do VOLP da ABL, definindo a grafia de coerdeiro, sem hífen e sem h, quando se grafa co-herdeiro em Portugal, com hífen e h.

Sobre isso se manifesta respeitável lingüista de Portugal, D’ Silvas Filho, entendendo que a grafia coerdeiro violenta o acordo conforme exposição detalhada das convenções. Falam o português, Brasil, Portugal, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Moçambique, Angola e Timor-Leste. Mac-Macau, na China, Goa, na Índia, Galiza e Málaca, na Malásia, Zanzibar, na África.

A unificação, seja qual for a dimensão, já se frustrou diversas vezes diante das ásperas dificuldades que se mostram diante das variadas pronúncias e, ao que parece, ocorrerá novamente, sem que haja consenso na evolução que está prevista nos decretos legislativos.

Reações descabidas por parte dos portugueses existiram sempre. Citamos somente uma, a reforma de 1971, absorvida por Portugal somente em 1973. Oficialmente chamado Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, a recente iniciativa, costurada desde muito tempo,  buscou muito mais a uniformização em vigor até 1993 do que a simplificação.

Poderia se realizar alteração que unificasse, já que sentados todos em mesa de convenção, simplificando de melhor forma, com mais abrangência, eliminando desnecessidades de acentuação, sem prevalência do que se grafa em qualquer solo. Mas após a edição do VOLP brasileiro as dissenções estão presentes.

O emprego do hífen, extinção do trema e algumas formas de acentuação, mais o desaparecimento de consoantes mudas, ligadas à grafia de Portugal, foram o sentido da mudança.

Perdeu-se a oportunidade de tornar mais simplificada a grafia. A troca cultural seria beneficiada, bradaram os incentivadores da pequena alteração. Com uma só escrita ganharia também a representação lingüística, como no castelhano, argumentam seus advogados favoráveis. Os contrários dizem que na significação vocabular (semântica) e não na diversidade ortográfica estariam os empecilhos unificadores. Acho que os segundos têm razão.
Mas as dificuldades são muitas, já se vê. Todos sabem que “fila” em nossa língua, é “bicha” (pejorativo para nós) em Portugal, entre inúmeras outras diferenças. Cito uma só mais, entre muitas. Vendo em lanchonete em Lisboa lista de sanduíches a serem pedidos, li na oportunidade: “Prego no pão”. Perguntei o que era e espantado obtive a resposta: era bife no pão. São muitas as diferenças.

Exemplificando em favor da simplificação, temos a escolha de abolir o acento de “idéia” do “e” aberto, que é correta, logo que racional, pois prende-se a que não se fala  “idêia”, com e fechado, faltando razão para permanecer o acento nos ditongos abertos de vocábulos oxítonos, ou seja, em que a acentuação se encontra na última sílaba, “pastéis” ou “herói”, por exemplo. Não se pronuncia “pastêis” ou “herôi”, fechadamente.

Vamos então às conhecidas alterações e pontuações críticas nossas:
Com o novo acordo voltam as letras K, W e Y. Com a volta destas letras, oficial, embora já usadas anteriormente como em km, kg e outros, o alfabeto passa a ter 26 letras.

Acaba o trema

O que é o trema? Trema, diérese ou ápices não é acento, como muitos, até mesmo professores de português pensam. Trema é um diacrítico, do grego  que implica em distinguir, “que distingue”. Se sobrepõe a certas vogais para indicar pronúncia separada da vogal precedente. Foi abolido em Portugal em primeiro de janeiro de 1946; data tempo, pois. Pela convenção ele se extingue para nós, porém a pronúncia continua como antes, conforme apontado.

Palavras paroxítonas, ou seja, aquelas em que a acentuação cai na penúltima sílaba, com ditongos abertos “ei” e "oi", deixam de ser acentuadas.  Antes da convenção: i-déi-a, ge-léi-a, fi-lis-téi-a, eu-ro-péi-a, as-sem-bléi-a, col-méi-a; a-pói-e, a-pói-o, he-rói-co, cor-ti-cói-de, ji-bói-a, pa-ra-nói-co etc.  Nova forma: i-dei-a, ge-lei-a, fi-lis-tei-a, eu-ro-pei-a, as-sem-blei-a, col-mei-a; a-poi-e, a-poi-o, he-roi-co, cor-ti-coi-de, ji-boi-a, pa-ra-noi-co etc.

O que fazer se a unificação vai contra a regra de acentuar palavras paroxítonas terminadas em “r” como “destróier” ? Esse vocábulo se enquadra nas duas regras. O acordo diz que perdem o acento os ditongos "ei" e "oi" de palavras paroxítonas, como "idéia" e "jibóia".

 Observação e deixe-se em realce: conserva-se o acento das palavras oxítonas, acentuação na última sílaba, e das monossílabas, vocábulos de uma só sílaba, desde que terminadas em: “eu (s)” : céu ou céus, troféu ou troféus, chapéu ou chapéus etc; “oi (s)” : herói ou heróis, mongóis, corrói etc; “éis”: papéis, pincéis, anéis etc.  O acento do “i” e do “u” tônicos precedidos de ditongo, em palavras paroxítonas, deixa de ser usado. 

Antes da convenção: bai-ú-ca, fei-ú-ra; nova forma: bai-u-ca, fei-u-ra.

Atenção: o acento permanece em palavras oxítonas: Pi-au-í, tui-ui-ú, tei-ú. Extingue-se o acento nos hiatos terminados em eem e oo.


Verbos crer, dar, ler e ver, resultam sem o circunflexo no primeiro “e” das formas creem, deem, leem e veem, bem com vocábulos em “oo”, voo, enjoo, magoo, etc.

Relativamente aos diferenciais, perdem acentuação as seguintes palavras:

Para (verbo). Por exemplo: Para de fazer isso. Pelar (verbo). Eu pelo, tu pelas, ele pela. Eu pelo o carneiro começando pela parte da frente até o rabo.

Pólo (s) (substantivo). Exemplo: Polo Sul; Polo aquático; Camisa polo. Permanece, contudo, acento em Pôde (verbo ‘poder’ no passado) diferenciando de Pode (no presente), Pôr (verbo) diferenciando de por (preposição).

Fica em aberto, podendo ser ou não usado, o diferencial em forma e fôrma, o que deveria ser impositivo e não facultativo, já que não se extrai do texto a diferenciação em oração solta, como “a forma do pão” (forma em que foi feito)  ou a fôrma do pão (recipiente em que é feito), vocábulo que teve a queda do diferencial na última reforma, o que já não se compreendia, o que sempre ressaltei, e agora se torna facultativo, equivocadamente.

Acentua-se, para estabelecer a necessária diferença, a sílaba tônica aberta da primeira pessoa do plural do pretérito perfeito do indicativo, desta forma diferençando da primeira pessoa do plural do presente do indicativo. 

Ontem nós conversamos com ele; pretérito perfeito, com ele. (ou conversamos [presente]).

Nós já estudámos (passado) isso no ano passado. Ou estudamos (presente).


PRIMEIRA CONSIDERAÇÃO

Opção desnecessária logo que do texto ressairia o tempo do verbo; exemplo: nós já estudamos isso anteriormente ou nós estudamos agora.

Pode-se assinalar com acento circunflexo a sílaba tônica da primeira pessoa do plural do presente do subjuntivo do verbo dar, para distingui-la da primeira pessoa do plural do pretérito perfeito do indicativo. Exemplos: Espero que nos dêmos [presente do subjuntivo] bem com a unificação da ortografia. (ou demos [passado do indicativo]). Ontem nós demos [passado do indicativo] uma lembrança ao amigo jornalista. 

As vogais “e” ou “o” que estiverem em final de sílaba de palavras proparoxítonas - reais ou acidentais - e que forem seguidas de consoantes nasais (M ou N) podem receber tanto o acento agudo (´) quanto o acento circunflexo (^).

Exemplos: Gênero ou género; Antônio ou António; crônica ou crónica; gênio ou génio; fenômeno ou fenómeno etc. Por que não permanecer o acento fechado, já que fechada a pronúncia, simplificando? Proparoxítonas acidentais (eventuais ou aparentes) são as palavras terminadas em ea, eo, ia, ie, io, ua, eu, uo com a sílaba anterior a essas terminações tônica.

Nesse caso, tanto podem ser consideradas paroxítonas terminadas em ditongo crescente quanto proparoxítonas: cór-nea ou cór-ne-a; sá-bio ou sá-bi-o.

Com muito mais razão repele-se permitir o acento fechado quando a tonicidade é aberta, não se pronuncia côr-ne-a.

Os verbos terminados em “guar”, “quar” e “quir” (como “aguar”, “apaziguar”, “averiguar”, enxaguar”, “obliquar”, “delinqüir” etc.) passam a admitir dupla pronúncia e dupla grafia em certas formas do presente do indicativo, do presente do subjuntivo e do imperativo.

O acento agudo do “u” tônico – das sílabas GU e QU – deixa de ser usado. Exemplos: Eu enxáguo (pronúncia: enxágwo) Eu enxaguo (pronúncia: enxaGUo), Ele enxágua (pronúncia: enxágwa) Ele enxagua (pronúncia: enxaGUa)Que eu enxágue (pronúncia: enxágwe) Que eu enxague (pronúncia: enxaGUe). Eu delínquo (pronúncia: delínqwo) Eu delinquo (pronúncia: delinQUo) Que ele delínque (pronúncia: delínqwe) Que ele delinque (pronúncia: delinQUe) O “u” tônico dos verbos “arguir” e “redarguir” (terminados, agora, em “guir”) NÃO mais terá acento agudo nas formas tu, ele/ela e eles/elas. Exemplos: (tu) arguis/redarguis; (ele/ela) argui/redargui; (eles/elas) arguem/redarguem. 

Observação: mesmo sem o acento, a sílaba tônica, na pronúncia, pode continuar sendo o “GU”. 

Hífen. Primeira Consideração.



MINHAS OBSERVAÇÕES

Nova ortografia: O hífen não será utilizado em palavras formadas de prefixos e aparentes prefixos terminados em vogal seguidos de palavras iniciadas por 'r' ou 's', dobrando-se o “r” ou “s” da palavra em seguimento.

Forma anterior: ante-sala, ante-sacristia, auto-retrato, anti-social, anti-rugas, arqui-romântico, arqui-rivalidae, auto-regulamentação, auto-sugestão, contra-senso, contra-regra, contra-senha, extra-regimento, extra-sístole, extra-seco, infra-som, ultra-sonografia, semi-real, semi-sintético, supra-renal, supra-sensível.

Forma atual: antessala, antessacristia, autorretrato, antissocial, antirrugas, arquirromântico, arquirrivalidade, autorregulamentação, contrassenha, extrarregimento, extrassístole, extrasseco, infrassom, ultrarromântico, ultrassonografia, suprarrenal, suprassensível. 

Exceção à regra: nos prefixos terminados por 'r', permanece o hífen se a palavra seguinte for iniciada pela mesma letra: hiper-realista, hiper-requintado, hiper-requisitado, inter-racial, inter-regional, inter-relação, super-racional, super-realista, super-resistente etc.
                             

CRÍTICA

Se for dobrado o “r” e o “s” nas palavras iniciadas nessas consoantes em seguimento a prefixos terminados em vogal com prefixo ou aparente prefixo, não vejo coerência em manter o hífen nas palavras em que o prefixo termine em “r”; devia também ser abolido com mais razão, ainda que para uniformizar vertentes da lingua. ISSO SERIA UNIFICAR SIMPLIFICANDO. 


SEGUNDA CONSIDERAÇÃO

Nova Regra: O hífen não é mais utilizado em palavras formadas de prefixos e aparentes prefixos terminados em vogal seguidos de palavras iniciadas por outra vogal 

Forma anterior: auto-afirmação, auto-ajuda, auto-aprendizagem, auto-escola, auto-estrada, auto-instrução, contra-exemplo, contra-indicação, contra-ordem, extra-escolar, extra-oficial, infra-estrutura, intra-ocular, intra-uterino, neo-expressionista, neo-imperialista, semi-aberto, semi-árido, semi-automático, semi-embriagado, semi-obscuridade, supra-ocular, ultra-elevado


Forma atual: autoafirmação, autoajuda, autoaprendizagem, autoescola, autoestrada, autoinstrução, contraexemplo, contraindicação, contraordem, extraescolar, extraoficial, infraestrutura, intraocular, intrauterino, neoexpressionista, neoimperialista, semiaberto, semiautomático, semiárido, semiembriagado, semiobscuridade, supraocular, ultraelevado.

Esta nova grafia se harmoniza com exceções anteriores à nova reforma, como: antiaéreo, antiamericano, socioeconômico, o que é desejável.

Exceção: a nova forma  não  se aplica sendo a palavra seguinte iniciada por 'h': anti-herói, anti-higiênico, extra-humano, semi-herbáceo e outras. Por que não em coerdeiro?


CRÍTICA. Por quê? Por ser praticamente mudo o “h”? Ainda assim não vejo razão em proveito da simplificação. Lamenta-se a não supressão do hífen, repita-se, ainda que visando uniformização ortográfica linguística parcial, objeto de fortíssimas resistências em Portugal.


TERCEIRA CONSIDERAÇÃO

Forma atual: Pela nova ortografia utiliza-se hífen quando a palavra é formada por um prefixo ou aparente prefixo terminado em vogal e a palavra em seguimento é iniciada pela mesma vogal.

Forma Antiga: antiibérico, antiinflamatório, antiinflacionário, antiimperialista, arquiinimigo, arquiirmandade, microondas, microônibus, microorgânico. 

Forma atual: anti-ibérico, anti-inflamatório, anti-inflacionário, anti-imperialista, arqui-inimigo, arqui-irmandade, micro-ondas, micro-ônibus, micro-orgânico 

Qual o conflito que haveria com a regra de supressão no encontro de vogais diversas como já listado, sendo essa a justificativa, pois a regra foi alterada em razão da regra anterior, ou seja,  prefixo termina com vogal mais palavra iniciada com vogal diferente não tem hífen; prefixo termina com vogal mais palavra inicial com mesma vogal terá hífen.
Por que não suprimir o hífen com encontro de vogais diversas ou iguais, em nome da simplificação. Por que criaram uma nova regra contrapondo outra diversa pela nova criada?

Releva notar a estranha exceção se  o prefixo é 'co', se a outra palavra inicia-se com a vogal 'o', não utiliza-se hífen.

Pela atual forma não se usa hífen em compostos que pelo costume, uso, perderam a noção de composição. ISTO COMPLICA-SE.

Forma antiga: manda-chuva, pára-quedas, pára-quedista, pára-lama, pára-brisa, pára-choque, pára-vento

Forma atual: mandachuva, paraquedas, paraquedista, paralama, parabrisa, parachoque, paravento.


OBSERVAÇÃO

O uso do hífen permanece em palavras compostas que não contêm elemento de ligação e constitui unidade sintagmática e semântica, mantendo o acento próprio, bem como naquelas que designam espécies botânicas e zoológicas: ano-luz, azul-escuro, médico-cirurgião, conta-gotas, guarda-chuva, segunda-feira, tenente-coronel, beija-flor, couve-flor, erva-doce, mal-me-quer, bem-te-vi etc.



O uso do hífen permanece: 

Em palavras formadas por prefixos 'ex', 'vice', 'soto': ex-marido, vice-presidente, soto- mestre.

Em palavras formadas por prefixos 'circum' e 'pan' + palavras iniciadas em vogal, M ou N: pan-americano, circum-navegação.

Em palavras formadas com prefixos 'pré', 'pró' e 'pós' + palavras que tem significado próprio: pré-natal, pró-desarmamento, pós-graduação.

Em palavras formadas pelas palavras 'além', 'aquém', 'recém', 'sem': além-mar, além-fronteiras, aquém-oceano, recém-nascidos, recém-casados, sem-número, sem-teto.

Não existe mais hífen

Em locuções de qualquer tipo (substantivas, adjetivas, pronominais, verbais, adverbiais, prepositivas ou conjuncionais): cão de guarda, fim de semana, café com leite, pão de mel, sala de jantar, cartão de visita, cor de vinho, à vontade, abaixo de, acerca de etc.

Exceções: água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia, ao-deus-dará, à queima-roupa.

Uso do hífen em palavras formadas por prefixos ou por falsos prefixos, como os seguintes: aero, agro, alfa, ante, anti, arqui, auto, beta, bi, bio, circum, co, contra, di, eletro, entre, extra, foto, gama, geo, giga, hetero, hidro, hipo, homo, infra, intra, isso, lacto, lipo, macro, maxi, mega, meso, micro, mini, mono, morfo, multi, nefro, neo, neuro, paleo, pan, peri, pluri, poli, proto, pseudo, psico, retro, semi, sobre, supra, tele, tetra, tri, ultra, entre outros. protoneurônio, proto-orgânico, prototórax, protótipo, protozoário.

Com os prefixos PSEUDO, SEMI, SUPRA, ULTRA, o hífen é usado se a palavra seguinte começar com “h”, “r”, “s” .:

Prefixos e falsos prefixos não são de fato palavras, por não poderem ser utilizadas sozinhas; sempre são acompanhados por outro elemento, formando, assim, uma palavra composta por justaposição ou derivada por prefixação. Usa-se o hífen diante de prefixos ou de falsos prefixos, se o segundo elemento for iniciado por H.


Exemplos: anti-higiênico, co-herdeiro (exceção para coerdeiro diante da posição da ABL), mini-horta, proto-história, sobre-humano, super-homem, ultra-humano.

Exceções: os prefixos “des-“ e “in-“: desumano, inumano, inábil, desumidificar. Embora o novo acordo não fale explicitamente, o prefixo “re-” deve constar como exceção: reidratar, reidratação, reabilitar, reabilitação.Se o prefixo ou o falso prefixo terminam por vogal OU consoante e o segundo elemento começa pela mesma vogal OU pela mesma consoante, usa-se o hífen.


Exemplos: VOGAIS IGUAIS: anti-ibérico, anti-imperialista, anti-inflacionário, anti-inflamatório, auto-observação, contra-atacar, contra-ataque, micro-ondas, micro-ônibus, micro-organismo, para-atleta, semi-internato, semi-interno. Exceção: o prefixo “co-”: coobrigação, coordenar, cooperar, cooperação, cooptar, coocupante.


CONSOANTES IGUAIS:  hiper-requintado, inter-racial, inter-regional, sub-bibliotecário, super-racista, super-resistente, circum-medida. Se o prefixo termina em vogal diferente da vogal com que se inicia o segundo elemento, não há hífen. Exemplos: aeroespacial, agroindustrial, antiaéreo, antieducativo, autoaprendizagem, autoescola, autoestrada, autoinstrução, coautor, coedição, extraescolar, infraestrutura, plurianual.

Se o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por “r” ou “s”, além de não haver hífen, dobram-se essas letras.

Exemplos: antirrábico, antirracismo, antirreligioso, antirrugas, antissocial, biorritmo, contrarregra, contrassenso, cosseno, infrassom, georreferência, microssistema, minissaia, microrregião, multissecular, neorrealismo etc.

Se o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por qualquer consoante que não seja “r” ou “s”, não se usa o hífen.

Exemplos: anteprojeto, antipedagógico, autopeça, autoproteção, coprodução, geopolítica, microcomputador, pseudomédico, semicírculo, semideus etc.

“Observe-se, o uso dos seguintes elementos que, mesmo terminados em vogal, são grafados – sempre – com hífen: “pré-”, “pró-”, “vice-”, ântero-”, “ínfero-“, “pôstero-“, “soto-” e “sota-”. Se o prefixo termina em consoante diferente da que inicia o segundo elemento, não se usa o hífen.


Exemplos: hipermercado, intermunicipal, superproteção, subchefe, subsede etc. Se o prefixo termina em consoante e o segundo elemento começa por vogal, não se usa o hífen. Exemplos: hiperacidez, hiperativo, interescolar, interestadual, interestelar, interestudantil, superamigo, superaquecimento, supereconômico, superexigente etc.


O prefixo “sub-” se liga com hífen a “b” e “r” (além do “h”, situação já prevista no tópico . Exemplos:sub-bloco, sub-bibliotecário, sub-humano, sub-hepático, sub-região, sub-reino etc.

Os prefixos “circum-” e “pan-” se unem com hífen a vogal, “m” e “n”, além do “h”, situação já prevista. Exemplos: circum-escolar, circum-navegação, circum-adjacente, pan-americano, pan-mágico, pan-helênico etc.

Com os elementos “ex-”, “além-”, “aquém-”, “recém-”, “sem-”, “pós-”, “pré”, “pró-”, “vice-”, “ântero-“, “ínfero-“, “póstero-“, “soto” e “sota”, sempre há hífen.

Exemplos: além-mar, aquém-mar, ex-aluno, ex-diretor, ex-prefeito, ex-presidente, pós-graduação, pré-história, pré-vestibular, pró-europeu, pró-reforma, recém-casado, recém-nascido, sem-terra, sem-teto, vice-governador, vice-presidente, sota-piloto, soto-capitão, ântero-lateral, ínfero-lateral, póstero-lateral. Observação- escreve-se, porém, “pospor”, “predeterminar”, “preestabelecer”, “preexistir” (e variações).

Com sufixos de origem tupi-guarani: usa-se o hífen com os sufixos de origem tupi-guarani “-Açu”, “-guaçu” e.

“-mirim”, quando o primeiro elemento (portanto, antes do sufixo) termina em vogal acentuada graficamente ou em tônica nasal (caso em que a pronúncia exige que se separem os elementos por hífen).

Exemplos:  abaré-guaçu (grande feiticeiro), andá-açu (espécie de árvore), ingá-mirim (espécie de árvore), capim-açu (espécie de erva), Ceará-Mirim, amoré-guaçu, anajá-mirim etc. 

Palavras que perderam a noção de composição;  ESSE UM GRANDE COMPLICADOR E SUBJETIVO.

Não se usa o hífen em palavras que perderam a noção de composição. Exemplos:  catavento, girassol, madressilva, mandachuva, paralama, paraquedas, paraquedista, pontapé, vagalume, clarabóia.

As regras do “bem” e do “mal”: pelo novo acordo, três palavras perdem o hífen e se unem ao elemento seguinte com o “m” virando “n”: benfeito (antes, bem-feito), benquerido (antes, bem-querido) e benquerer (antes, bem-querer).

Atenção: a forma “bem feito” (sem hífen) expressa ironia, maldade. Exemplo: “Ele não passou no teste; eu acho bem feito”. No mais, as regras foram mantidas.

Usa-se o hífen com “bem” e “mal”, se o segundo elemento começar por “h” ou por vogal. 

Exemplos: bem-amado, bem-aventurado, bem-agraciado, bem-educado, bem-humorado; mal-humorado, mal-estar, mal-afortunado.

Ressalte-se: no caso do advérbio “bem”, quando o segundo elemento inicia por consoante, geralmente há hífen. 

Exemplos: bem-falante (porém, malfalante), bem-nascido (porém, malnascido), bem-mandado (porém, malmandado), bem-visto (porém, malvisto), bem-sucedido (porém, malsucedido), bem-fazer (porém, malfazer), bem-posto (porém, malposto).


O emprego das letras maiúsculas ou minúsculas. 

A única novidade reside no fato de que os nomes de vias e lugares públicos, bem como os nomes que designam domínios do saber — artes, ciências ou disciplinas, podem ser, agora, escritos facultativamente com inicial maiúscula ou minúscula. 

Exemplos: Língua Portuguesa ou língua portuguesa, Filosofia ou filosofia; Praça da República ou praça da república, Praia de Icaraí ou praia de Icaraí.


Comentários colhidos sobre a unificação:

As dúvidas, uma vez que o Acordo não era claro sobre a sua utilização, ou seja, a ABL decidiu internamente sobre as mesmas, a grafia de muitas palavras e expressões, como coerdeiro, sem hífen e sem a letra h, embora o texto oficial indicasse o uso de co-herdeiro.

«Não entendo como um acordo internacional tenha sido interpretado como sendo de execução de um só país», diz Gilvan Müller de Oliveira, professor de linguística da UFSC e diretor do IPOL (Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística).

José Luiz Fiorin, professor da USP e autor de livros sobre linguística, tem opinião semelhante: «O fato de o Brasil publicar um Vocabulário Ortográfico dá a impressão de que ele está querendo governar a implantação do Acordo.» A publicação do VOLP pode trazer confrontos com os outros países, entende Fiorin, «O Brasil deveria estar atento para isso, não levantando mais suscetibilidade nenhuma», falou, lembrando o fato de alguns portugueses terem reclamado das mudanças provocadas pelo Acordo — enquanto apenas 0,5% do vocabulário brasileiro foi modificado, em Portugal a mudança chegou a 1,5%. 

O professor diz que «não é possível que alguém ache que se trata de um vocabulário definitivo, uma vez que o Acordo é explícito» em relação à criação de um «vocabulário ortográfico comum».

Segundo Godofredo de Oliveira, presidente da Colip, «o entendimento é que este vocabulário é a contribuição brasileira para o VOLP, o que implica dizer também que, se lá na frente houver alguma pequena adequação, a academia deve estar pronta para fazê-la». É este o bom entendimento no meu modesto sentir.


Evanildo Bechara coordenador da Comissão de Lexicografia e Lexicologia da ABL e coordenador da elaboração do VOLP argumenta que, «se os portugueses seguirem o Acordo que eles assinaram, o vocabulário será igual». Sobre a escolha de coerdeiro, sem hífen e sem h, e de palavras cuja grafia o texto do Acordo não esclarece, fala Bechara que a tradição foi levada em conta.

Na visão de Bechara «afirma que nenhum ponto de vista adotado pela Academia é aleatório» e, caso Portugal questione a posição da ABL, a academia irá «defender o ponto de vista dela».

Acho que aos poucos se dará o encontro definitivo possível, o que, aliás, vem ocorrendo data muito e assim permite a legislação; é meu credo.

Celso Felício Panza


  

LUSOFONIA 

VIGORA A TENTATIVA DE UNIFICAR PARCIALMENTE A LÍNGUA?


"Do ponto de vista político, a unificação ortográfica é importante. Implica numa maior difusão da língua portuguesa nos seus textos escritos. Mas a reforma poderia ter avançado mais e de forma mais inteligente na racionalização dos acentos e do hífen. As regras ainda são pouco acessíveis para o homem comum."

Evanildo Bechara, gramático, membro da Academia Brasileira de Letras. Preside a Comissão de Reforma.


ISTO É MAXIMAMENTE IMPORTANTE:

"Parágrafo único. A implementação do Acordo obedecerá ao período de transição de 1 de janeiro de 2009 a 31 de dezembro de 2015, durante o qual coexistirão a norma ortográfica atualmente em vigor (QUAL ATUALMENTE EM VIGOR?) e a nova norma estabelecida. (REDAÇÃO DADA PELO NOVO DECRETO DE 2012)." Parênteses nossos.

Qual a norma atualmente em vigor? A (durante o qual coexistirão a norma ortográfica atualmente em vigor) primeira,  que poderá coexistir com a última que conflitou com a primeira, EM VIGOR, esperando  a que está por vir (veja-se a confusão de sistema legislativo) e depende de aceitação de todos os países participantes do acordo, E DO NOSSO CONGRESSO EVENTUAIS REVISÕES?


Não há questionamentos sobre o fato que vou abordar, e creio que levanto a hipótese, mas estou em que diante das tratativas atuais da legislação sobre nossa ortografia, continua a prevalecer a legislação anterior ao acordo de lusofonia que introduziu modificações na acentuação, nas palavras compostas, na introdução de novas letras, Y e W, e na hifenização.  E AO FINAL DO ENFRENTAMENTO BRASIL/PORTUGAL, OCORRENTE, SERÁ A PREVALECENTE, ao menos juridicamente o que a tradição recusa. Por quê? Porque não haverá acordo. 

Como largamente disseminado e em exercício, os cultores da língua, nos quais me incluo despretensiosamente, observam a última “regula juris”, assim entendo. Seria indevidamente? É de se perquirir. Senão vejamos:

Examinemos: Redação nova do Decreto-lei 4,707 de 1942, alterado pela Lei 12.376 de 2010. Dispõe sobre a vigência das leis no tempo e no espaço.

Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro, atual Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro. (Redação dada pela Lei nº 12.376, de 2010.

“Artigo 1º. A lei posterior revoga a anterior quando expressamente o declare, quando seja com ela incompatível ou quando regule inteiramente a matéria de que tratava a lei anterior.”

A incompatibilidade entre a lei que pretendeu unificar e a anterior é flagrante, ou seja, “É COM ELA INCOMPATÍVEL”; palavras da lei. Então revogado estaria o sistema anterior? Não, já que com data certa apontada para vigência ressalvou-se, assim também previsto, NA FORMA DA LEI, permissiva, sua permanência. Não ocorreu sua vigência exclusiva (da última regra) projetada para a data aprazada, visando adequação e harmonização. Nova lei, essa a problemática, – terceira lei suspensiva de efeitos – alterou a nova vigência. E o fez unilateralmente, no Brasil. Afirmou sua exigibilidade somente em 2016. A ortografia aceitável continua dúplice. Coexistindo a primeira regra e a que pretendia alterá-la. Há grita de Portugal que rejeita entre seus léxicos o acordo, como ocorrido no acento diferencial. Essa a ausência de harmonia, de impossível contorno.

Lei nova revoga lei antiga, toda ou em parte, conforme o caso. Aparecerá de forma expressa ou tácita a revogação, ou a temporalidade para entrar em vigor, o que foi feito sem ultimação, irrealizada, portanto. A revogação se dá por incompatibilidade parcial ou total, quando a matéria necessitar de uma regulação totalmente diferente em virtude da evolução de costumes.

A LEI PODE TER VIGÊNCIA TEMPORÁRIA, SINGULARMENTE. FAZER DA EXCEÇÃO A REGRA TORNA-SE IMPRECISA CONFUSÃO LEGISLACIONAL. MUITO MAIS SE TRATANDO DE USO DE LÍNGUA. DUAS LEIS COM VIGÊNCIA TEMPORÁRIA E CONFLITANTES, COM PRAZO CERTO PARA VIGORAR, RECONDUZIDO, A PRIMEIRA ALTERADA, mais uma terceira (RECONDUÇÃO) suspendendo vigência da nova conflitante com a anterior, somadas expectativas de concerto de vontade linguístico entre vários países, FATO FUTURO E INCERTO, CONDICIONAL, com possibilidade de realização remota, trazendo indiscutíveis desencontros. Onde prospera confusão tudo é válido.

É CASUÍSMO NOVO SE TRATANDO DE DEPENDÊNCIA DE FATO FUTURO E  INCERTO, DE TERCEIROS, CONVENÇÃO UNIFORME DE ALGUNS PAÍSES E DE  ESCASSA ACEITAÇÃO, DIANTE DAS RECUSAS, PRINCIPALMENTE EM PORTUGAL, REFORÇADAS PELA NOVA E PRETENDIDA ALTERAÇÃO EXCLUSIVAMENTE BRASILEIRA.

A lei nova dispositiva sobre sistemática ortográfica de lusofonia, em parte, depende de uniformidade inexistente. Fato futuro e incerto. É condicional. Tanto é que suspendeu POSSÍVEL vigência (CONDIÇÃO A IMPLEMENTAR), até que haja consenso. Sem o consenso e na existência de conflito, a exegese impõe que prevaleça a lei pretendida modificar, sem alterações, até que definitivamente, se houver, vigore a nova reforma aceita por todos os componentes da convenção.

A EXPERIÊNCIA MOSTROU A IMPROVABILIDADE DE AJUSTE UNÂNIME ENTRE OS PARTÍCIPES. 

E SE NÃO HOUVER ACORDO, O QUE É ESPERADO, CONDIÇÃO FUTURA E INCERTA, ASSIM DISPONDO A REGRA, PREVALECERÁ A PRIMEIRA:

“Art.” 3o São sujeitos à aprovação do Congresso Nacional quaisquer atos que possam resultar em revisão do referido Acordo (DIGO EU, ORTOGRÁFICO), assim como quaisquer ajustes complementares que, nos termos do art. 49, inciso I, da Constituição, acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional. (LEIA-SE ACARRETE DESPESAS AOS COFRES PÚBLICOS).

HÁ DEPENDÊNCIA DE APROVAÇÃO CONGRESSUAL DAS REVISÕES POSSÍVEIS, OU SEJA, NÃO VIGORA A REFORMA EM TESE.

 A lei alterada tinha previsão de vigência temporária para alteração, que não ocorreu. Dilargou-se o prazo. Nenhuma outra lei alterou ou tratou conflitantemente, ao revés, foi suspensa a alteração. Se suspensa a alteração sem remissão a permanecer na íntegra a lei que alteraria a originária, resgatada expressamente, desfeita está sua índole revocatória, LOGO QUE ALTERAÇÕES DEPENDEM DE FUTURA APROVAÇÃO CONGRESSUAL.


DECRETO Nº 6.583, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008.

Promulga o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição...

...