30 de jan de 2008






Peça sobre o bicentenário da chegada da Corte portuguesa

DOM JOÃO VOLTA AO BRASIL

MV: Que dia lindo! Quanta gente! Uma boa (tarde) a todos!
Eu sou o Menino Vento e, há milhões de anos, vou de norte a sul e de leste a oeste desse planeta. Já vi e vivi muitas coisas, mas quero que a minha amiga me ajude a contar algo muito interessante.

(Entrada de Raio de Sol)

RS: Minha Mãe Natureza, é muita gente mesmo! E é com muita alegria que eu quero dizer: “Bem-vindos a este nosso encontro!” Quero também contar por que estamos aqui.
Eu sou Raio de Sol, ilumino e aqueço todos os cantos da Terra. Tudo que aconteceu nesse planeta, eu vi, ouvi e acompanhei.
Mas, hoje, em especial, estamos na ______________________ para falar de um acontecimento muito importante – a chegada da família real portuguesa ao Brasil.

MV: Desde a saída da família real de Portugal, eu percebi que muitas mudanças aconteceriam por aqui.
Durante a viagem, eu não parava de soprar as embarcações, ajudando os tripulantes durante a travessia do Oceano Atlântico.
Raio de Sol, parece que estou ouvindo um barulho, acho que são passos!

PR: Sou eu, a Palmeira Real! Eu não podia ficar de fora nesse importante momento! Consegui chegar a tempo para avisar que a Quinta da Boa Vista e o Jardim Botânico estão ficando lindos para a visita de Dom João e de sua nobre família.

RS: É verdade! 1808! Duzentos anos se passaram e eu me lembro como se fosse hoje! Dom João desembarcou na Bahia, mas outros nobres vieram para cá, para a cidade do Rio de Janeiro.
Menino Vento, olhe quem está chegando - a família real está de volta ao Brasil.

(Entrada de Dom João e da família real)

DONA CARLOTA: Ai, Meu Deus! Como faz calor nessa terra, João! O tempo passa tantas mudanças, mas o calor é uma bestialidade!

DOM JOÃO: Ora, pois, pois, Carlotinha, deixe isso pra lá. Você viu o Morro do Pão de Açúcar? Ele parece uma escultura na baía de Guanabara, pronto para nos receber.
Quando vínhamos para cá, paramos na cidade do Rio de Janeiro e, então, pude observar que muitas das mudanças que realizei ainda estão presentes nos dias de hoje.
Olhei, com muitas saudades, para a Igreja do Carmo e lembrei-me das missas e das cerimônias ali realizadas, vi o chafariz no Centro do Rio, como tem agências do Banco do Brasil, o Teatro, a Biblioteca, aaah...

DONA CARLOTA: Ah, João! Pare de falar um pouco e observe. Escute como o povo do Rio de Janeiro herdou nosso jeito de falar. Ao invés deles falarem TITIA, TEATRO, eles falam titia, teatro, fazendo biquinho. As mulheres passaram a admirar e a usar a moda francesa, como acontecia no passado.

DOM JOÃO: Ai, Meu Deus, Carlotinha! Você não esquece as roupas e as jóias! Mamãe, olhe os modos, tenha compostura! Ai, que vergonha, meu Deus!

DONA MARIA I: Quanta gente nos olhando! O que que vocês querem, perderam alguma coisa aqui?

MV: Por favor, Vossa Alteza precisa saber! Estamos em 2008 e o Brasil comemora o bicentenário da Vossa chegada. O Brasil celebra esse acontecimento !
Alteza, olhe o que a sua mãe está fazendo!

DONA MARIA: Balançando o corpo para um lado e para o outro e grudada ao crucifixo, é advertida por Dom João.

RS: Hum... hum... A Quinta da Boa Vista está em festa! O Jardim Botânico está mais verde do que nunca! A cidade do Rio de Janeiro se organizou para esperar a sua volta Alteza, afinal de contas, esse foi o lugar escolhido para ser a nova Lisboa dos Trópicos.

DOM JOÃO: Ai, minha Quinta, quantas saudades da sombra das palmeiras e dos deliciosos sapotis!

CARLOTA: Você sempre guloso, João! Vamos, pois temos muitos lugares para rever e sua mãe já está ficando cansada.

DONA MARIA I: Adoro minha norinha! Ela é a única que me entende!

PR: A cidade de Niterói também se preparou para esse momento, pois foi (aqui) que Dom João veio comemorar seu aniversário, em 1816, e foi tão bem recebido pela população do lugar, que a nossa cidade foi elevada à condição de Vila Real da Praia Grande.

DOM JOÃO: O Brasil cresceu, se modernizou e a população aumentou muito. O país faz sucesso nos esportes, nas pesquisas médicas, na exploração de petróleo, mas ainda precisa avançar em outros campos. Tenho muito orgulho do tempo que passei aqui!

DOM PEDRO: Meu querido pai, tenho a honra de ter feito a Independência do Brasil! Com liberdade política, esse país começou a caminhar rumo ao desenvolvimento.

DONA MARIA I: Meu netinho é tão inteligente! Puxou a Vovó Maria, não é Pedrinho?

DOM PEDRO: Não reparem, a vovó ficou perturbadinha!

TEMPO PRESENTE: Amigos, vamos aproveitar esse momento e refletir um pouco. Eu sou o Tempo Presente, estou muito feliz com a nobre visita da família real. Tenho a importante tarefa de unir duas linhas do tempo: a história que já passou e a história que queremos construir.
Olhando para essas pessoas à minha frente, preciso deixar um recado do Senhor do Tempo: a independência do Brasil começou com a vinda dessa nobre família para o nosso país, mas ela precisa prosseguir com o esforço de cada um de nós. Todos nós temos fios em nossas mãos que precisam ser entrelaçados: o fio da ética, o fio do trabalho, o fio da competência, o fio do conhecimento, o fio da bondade e tantos outros. Assim, o amanhã será melhor e essa terra ainda vai cumprir seu ideal.

PR: Quando compreendemos melhor a história, o futuro pode ser mais bonito!

MV: Quando a gente gosta, é claro que a gente cuida!

RS: Quando a gente gosta, é claro que a gente respeita!

DOM PEDRO: Quando a gente gosta, é claro que a gente liberta!

DONA CARLOTA: Ah! Já sei que João vai querer falar! Ele adora um discurso! Mas também quero deixar aqui meu recado: quando voltei a Portugal, bati meus sapatos e disse: "DESSA TERRA NÃO QUERO LEVAR NEM O PÓ!". Hoje, voltando ao Brasil e vendo quantas mudanças aconteceram nessa terra com a nossa vinda para cá, reconheço que vivi momentos felizes no Brasil.

DOM JOÃO: Bonitas palavras, Carlotinha! Quero agradecer ao povo brasileiro pelo carinho recebido! Só cuidamos, respeitamos e libertamos, quando conhecemos a história de um povo e de um lugar!
Também aprendi a amar muito essa terra e aqui deixei uma história que vale a pena conhecer! Agora, vamos, minha nobre família!

TEMPO PRESENTE: Esperem só mais um minutinho, eu tenho um recado para cada um de vocês:
Palmeira Real, volte para Quinta da Boa Vista, continue seu trabalho, pois sua presença é fundamental entre nós.
Tempo Presente, ajude-nos a compreender os acontecimentos para que possamos tomar sempre as decisões certas.
Nobre Família Real, o Brasil será eternamente agradecido pelas sementes de desenvolvimento que vocês plantaram e que, hoje, estamos colhendo, sem nunca esquecer da independência política realizada, mas que é construída nosso dia-a-dia.
Menino Vento e Raio de Sol, continuem em sua nobre missão, soprando sua suave brisa da bondade e iluminado alegremente as histórias que acontecem aqui e lá, bem distante...
E a essa linda platéia, muito obrigada pela valiosa presença de vocês!

Maria da Conceição Vicente de Almeida

MV – Menino Vento – Matheus Mugayar
RS – Raio de Sol – Ingrid Talina
Dom João – Lucas Meneses Serpa
Dona Carlota – Vitória Vicente
PR – Palmeira Real – Amanda V. Pereira
Dona Maria I – Raíssa
Dom Pedro – Pedro Vicente