27 de jun de 2016

O #livro “CTI – Antessala da morte: um passeio pela vida” é jornalismo com muita verdade e emoção!

Um livro que instiga o leitor a ler sem parar. São histórias de uma vida pulsante e cheia de enredo. É jornalismo, com muita verdade e emoção.

Ilustrado com fotos a cores e em PB 
Formato: 14cm x 21cm 
186 páginas, divididas em 95 capítulos
ISBN: 978-85-7543-148-1 
Preço de capa: R$35,00

 O livro “CTI – Antessala da morte: um passeio pela vida” (Ed. Muiraquitã. 2014) é uma narrativa do jornalista Mário Dias ao estilo de revista como série de reportagens, abordando a infância, adolescência, décadas de jornalismo e o convívio com personagens variados. Políticos, dentre os quais Tenório Cavalcanti, o “Homem da Capa Preta”, Chagas Freitas, Leonel Brizola, Geremias Fontes, Luiz Inácio Lula da Silva, Jorge Roberto Silveira, Aécio Neves e Alberto Torres são apenas alguns dos citados. No meio artístico, Jorge Aragão, Zeca Pagodinho, Dudu Nobre, João Nogueira, entre outros, são lembrados na passagem do “Botequim do Samba”, tanto na Rede Manchete de Televisão, quanto na Rede Globo, produzido por Mario Dias. As reportagens investigativas, os grandes eventos, como o réveillon na praia, o “Rio Elétrico”, a Micareta do Rio; o Bloco das Piranhas, o Carnaval, as Escolas de Samba, a Festa dos Bois de Parintins; São João e as rodas de samba também estão neste livro-reportagem. Nele, ainda o autor revive os desfiles de Miss e moda, apresentação do cerimonial de Fidel Castro, grandes comícios e shows. Os anos de censura da Ditadura, prisões, as reivindicações sindicais e estudantis, os fatos pitorescos e a fé em São Jorge também estão neste trabalho, com o autor “saindo” do CTI – Centro de Tratamento Intensivo – onde esteve internado há 30 anos, para fazer esta viagem no tempo.
Com cinco décadas de profissão, Mario Dias é jornalista, produtor, escritor e este é o seu quinto livro. Já assinou as seguintes obras: “Malditos Repórteres de Polícia” (Ed. Muiraquitã, 1992), com os principais casos policiais; “Rio da Violência Armado com Humor” (1995), produzido com vários cartunistas; “Das Rosas para as Rosas” (1994), livro de poesias; e participou da premiada coletânea “50 anos de crimes” (Ed. Record, 2007), com organização de Fernando Molica. Como profissional de imprensa, trabalhou nos jornais “Luta Democrática”, “O Dia”, “O Fluminense”, “O Jornal”, “A Tribuna” e “Diário Fluminense”, entre outros. Na televisão, ele já passou pelas seguintes emissoras: TV Tupi, TV Continental, TV Rio, Rede Manchete, e TV Globo. Apresentou por mais de dez anos o programa de entrevistas e variedades “Casa da Gente”, exibido em 3 emissoras, sendo um dos integrantes do movimento do Pagode, nas rádios Fluminense, Carioca e Rio de Janeiro.